RECEITA DE BEM VIVER


Tome-se farta porção de sentimento. Se for puro, melhor. Caso contrário, abandone-se a preguiça e com afiada lâmina de coragem, limpe-se bem, retirando-se-lhe rebarbas de orgulho e vaidade, gorduras cruéis de ambição desmedida, espinhos de ciúme e inveja, escamas de avareza e qualquer vestígio de ódio.

Tempere-se com vinha d'olhos: a luz dourada de auroras, frescor de cachoeiras, pinceladas de nuvens crepusculares, orvalhos da madrugada. E ainda vôos de beija-flores verde-azuis entre quaresmeiras e cantos de sabiás entardecidos. Deixe-o serenar sob o brilho das estrelas.

Acrescente-se-lhe punhados de esperança, muitas doses de fé e alegria, recheando-o com um belo cozido de consciência com colheradas de obstinação e ética. Costure-o firme e delicadamente com fios da memória. Leve-o ao forno brando da paciência e da sabedoria.

Assim que esteja no ponto, deite-se-lhe sobre molho de perseverança e polvilhe-o com paixão. Sirva-o com boa farofa torrada em óleo essencial de solidariedade e respeito.

Acompanha-se bem de água pura, vinho tinto de história e cachaça de destilada amizade. Como sobremesa, vai bem um bolo de amor com cobertura de paz.

Reparta-o com pessoas de toda idade, de qualquer raça, crença ou lugar. Convide até quem seja do contra. Quem sabe lamberá os beiços e pedirá a receita?

Observação: esta antiga receita está em todos os livros, não tem contra-indicações, é diet e light, além de fortalecer os músculos do caráter.

Os ingredientes são encontrados em todo o planeta e podem ser obtidos através do saudável exercício da convivência.

Autora: Maria José Boaventura